domingo, 29 de março de 2020

Página herética protestante usa adulteração de frase de Santo Agostinho





A contraditória página protestante “Apologética Evangélica – Contra as Heresias” que rouba e distorce termos católicos até para o próprio título, caiu do cavalo ao acreditar num daqueles textos adulterados que outros protestantes postam na página leiga livre New Advent para atribuí-los aos católicos.

Ao ver-me postar a celebre frase de Santo Agostinho que sepulta o “Sola Scriptura” protestante: “Eu não acreditaria no Evangelho se não me movesse a isso a autoridade da Igreja católica.” , o administrador da contraditória página protestante citada, se saiu com a seguinte pérola seguida do link de uma postagem da New Advent:

“Você usa de maneira distorcida as palavras de Agostinho quando ele fala:
"Por minha parte, não devo acreditar no evangelho, exceto como movido pela autoridade da Igreja Católica."”

Observe que já de cara, nota-se que esse pobre diabo que foi enganado pelo texto maliciosamente errático da New Advent, nada sabe sobre Santo Agostinho, nunca leu seu escrito em questão, e nada sabe de latim e inglês para confiar cegamente assim na tradução débil do Google.

A frase que postei está correta, para a completa vergonha e estrebucho do herético protestante e sua contraditória página. Sim, Santo Agostinho escreveu de fato: Eu não acreditaria no Evangelho se não me movesse a isso a autoridade da Igreja católica.” no seu escrito “Contra a Carta de Mani 5,6”.

Sobre a desonestidade da literatura e apologia protestante, alerta o insuspeito presbiteriano Juan Pablo, doutor em História pela UFES:

“Bem, a respeito do estudo sobre o cristianismo antigo, a primeira coisa que devemos aceitar, é que os protestantes de modo geral, em especial os brasileiros, conhecem muito pouca coisa de História cristã. Infelizmente, a grande maioria dos livros de história do cristianismo publicados por editoras evangélicas aqui no Brasil não são fontes confiáveis para o estudo da história cristã antiga e medieval, e isso por dois motivos:

1 - são escritos por teólogos com péssima formação histórica;
2 - seu objetivo real não é realmente informar o leitor, e sim combater o catolicismo, para dar a falsa impressão de que tudo o que a ICAR alega seria mentira e portanto fazer apologética da teologia protestante. Ou seja: pecam por desonestidade intelectual. Faz-se necessário estudar a história do cristianismo a partir da historiografia acadêmica.”  - (Publicado no Orkut e confirmado pelo Facebook em 30/07/2017)

E assim cai mais um embuste protestante.
Para conhecer outras mentiras e sabotagens protestantes a longo da história, acesse: http://fimdafarsa.blogspot.com/2011/06/cronologia-universal-das-mentiras-e.html


Por Fernando Nascimento

Fimdafarsa

sábado, 28 de março de 2020

Refutando herege que desconhecia a Didaqué e o que professavam os Pais da Igreja.



Capa do endereço das heresias protestantes disfarçadas



O sujeito que sem qualquer confissão, que toma suco de uva de caixinha com pão fermentado da padaria de seu Mané, tentava enganar outros protestantes em sua contraditória página “Apologética Evangélica – Contra as heresias”, insinuando que o pão e o vinho dos católicos, apenas ‘simbolizam’ Jesus, que não há transformação em corpo de Cristo real e que a adoração da Eucaristia é do “segundo milênio”.

Refutamos então todos esses embustes, com as Escrituras, a Didaqué e os Pais da Igreja.

Para a completa desgraça protestante, antes da Didaqué ser escrita, São Paulo em 1 Coríntios 11, 23-29, na bíblia, já deixa claro que o pão e o vinho consagrados tornam-se o corpo e o sangue de Cristo, Abaixo segue as palavras de São Paulo:

"Porque eu recebi do Senhor o que também vos ensinei a vós, que o Senhor Jesus, na noite em que foi entregue, tomou o pão, e dando graças, o partiu, e disse: recebei e comei; isto é o meu corpo, que será entregue por vós; fazei isto em memória de mim.

Igualmente depois de ter ceado, (tomou) o cálice, dizendo: este cálice, é o novo testamento no meu sangue, fazei isto em memória de mim todas as vezes que o beberdes. Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciareis a morte do Senhor, até que ele venha.

Portanto todo aquele que comer este pão ou beber este vinho indignamente, será réu do corpo e do sangue do Senhor.

Examine-se, pois, a si mesmo o homem, e assim coma deste pão e beba deste cálice. Porque aquele que o come e bebe indignamente, come e bebe para si a condenação, não distinguindo o corpo do Senhor."

Obviamente é nisso que se baseia o texto da Didaqué ao solicitar toda pureza daquele que comungasse.

Antes de São Paulo escrever suas cartas, e da Didaqué ser escrita, Jesus já dava lição contra os hereges (tipo os protestantes) que duvidavam que o pão e o vinho consagrados fosse seu verdadeiro corpo e sangue: "minha carne é verdadeira comida e meu sangue verdadeira bebida" ( João, 6, 41), e ainda "quem não come minha carne e não bebe meu sangue não terá a vida eterna" (João, 6, 59).

Os judeus se escandalizavam com isso: "disputavam, pois entre si os judeus, dizendo: como pode este dar-nos a comer a sua carne? E Jesus disse-lhes: em verdade, em verdade vos digo: se não comerdes a carne do filho do homem, e não beberdes o seu sangue, não tereis a vida em vós." (João, 6, 53-56).

Insinuar valendo-se de sofismas, que os cristão dos primeiros séculos desconheciam tudo isso e não acreditavam na presença real de Cristo na Eucaristia é desconhecer o contexto dos primórdios do Cristianismo e as Escrituras.

Tertuliano assim refutou um herege de seus dias: “Portanto, pelo sacramento do pão e do cálice, já temos provado no evangelho a verdade do corpo e do sangue do Senhor contra o fantasma defendido por Marcião...” (Contra Marcião L.5 c.8)

A Didaqué é muito taxativa ao afirmar que nem todos podem participar da Eucaristia, já que não se pode “dá o que é santo aos cães”. Antes de participar exige confessar os pecados para que o sacrifício seja puro. É um testemunho claro também de que a Igreja primitiva já conhecia na Eucaristia o sacrifício sem mancha e perfeito apresentado ao Pai em Malaquias 1,11: “Porque, do nascente ao poente, meu nome é grande entre as nações e em todo lugar se oferecem ao meu nome o incenso, sacrifícios e oblações puras. Sim, grande é o meu nome entre as nações - diz o Senhor dos exércitos.”

“Que ninguém coma nem beba da Eucaristia sem antes ter sido batizado em nome do Senhor, pois sobre isso o Senhor disse: ‘Não dêem as coisas santas aos cães’.” (Didaqué IX, 5)

“Reúna-se no dia do Senhor para partir o pão e agradecer após ter confessado seus pecados, para que o sacrifício seja puro.

Aquele que está brigado com seu companheiro não pode juntar-se antes de se reconciliar, para que o sacrifício oferecido não seja profanado [Cf Mt 5,23-25].

Esse é o sacrifício do qual o Senhor disse: "Em todo lugar e em todo tempo, seja oferecido um sacrifício puro porque sou um grande rei - diz o Senhor - e o meu nome é admirável entre as nações".(Malaquías 1,11)” (Didaqué 14, 1-3). – Entenderam bem, protestantes de igrejinha de porta sobe e desce que nunca oferecem a Deus esse sacrifício e o incenso da profecia de Malaquias 1,11?

Dizia o ignorante protestante demonstrando vergonhoso desconhecimento do que se metia a abordar: A Didaquê continha instruções sobre a Eucaristia. Sendo uma instrução de como deve se proceder nesta ordenança, era de se esperar alguma menção a transformação dos elementos, ou ao sacrifício de Cristo acontecendo naquele momento e instruiria os cristãos a adorarem os elementos transubstanciados. Mas não há nada disso.”

Resposta: o próprio protestante começa dizendo A Didaquê continha instruções sobre a Eucaristia.”

– Vejamos o que quer dizer “Eucaristia” no dicionário:
[Significado de Eucaristia
substantivo feminino
Comunhão; sacramento cristão católico através do qual o pão e o vinho se tornam o corpo e o sangue de Cristo. ]

O sacrifício de Cristo na Eucaristia, já era do conhecimento natural de todos os cristão desde a última ceia de Cristo: "Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes este cálice, anunciareis a morte do Senhor, até que ele venha." (1 Coríntios 11, 26)

Quem conhece o contexto da historia cristã, sabe obviamente que os cristãos primitivos já acreditavam naturalmente que o pão e vinho eucaristizados era verdadeiramente a presença real de Cristo, conforme carta de São Paulo e afirmação do próprio Jesus Cristo, já citadas acima. Os vastos testemunhos primitivos no final desta refutação não deixaram dúvidas.

Dizia ainda o enganador protestante, que não conhece nada da Patristica mas se adianta em deturpa-la e omiti-la: os Pais da Igreja não ensinaram a adoração aos elementos da eucaristia, esta prática não fazia parte da Igreja dos primeiros séculos, tendo ganhado força no segundo milênio. Só por esse fato, já podemos suspeitar que não sustentavam a posição romana.”

Resposta: “suspeita” errada! A Igreja nunca ensinou a “adoração aos elementos da eucaristia”, mas a adoração ao próprio Cristo em que os elementos se transformam. Santo Agostinho de Hipona, um dos mais notáveis Pais da Igreja, que nasceu em 354 e morreu em 430, responde a esse enganador:

“Volto-me para Cristo, pois é Ele a quem busco aqui; e verifico que, sem cair na impiedade, adora-se o terrestre, e sem impiedade adora-se o escabelo dos Seus pés. Porque Ele tomou a terra da Terra, visto que a carne provém da terra; e tomou a carne da carne de Maria. E porque na própria carne caminhou por aqui, deu-nos de comer Sua própria carne, para a salvação; e como ninguém come essa carne sem adorá-La primeiro, descobrimos como se adora esse escabelo dos pés do Senhor; e não apenas não pecamos adorando-O, como também pecamos ao não adorá-Lo” (Comentário ao Salmo 98,9).

Com o passar dos séculos, foram surgindo hereges, ainda no primeiro milênio, que alegavam que o Jesus eucarístico levado aos enfermos não era o mesmo Jesus histórico. Para combater essa heresia intensificou-se ainda mais a adoração eucarística.

Ponto final. Herege refutado!

De lambuja, o farei conhecer como os Pais da Igreja e teólogos dos primeiros séculos, vivenciavam a Eucaristia sempre a reconhecendo como verdadeiro corpo e sangue de Jesus presente.


SÃO JUSTINO (165 D.C)

"66. Este alimento se chama entre nós, Εὐχαριστία[Eucaristia], da qual a nenhum outro é lícito participar, senão ao que crer que nossa doutrina é verdadeira, e que foi purificado com o batismo para o perdão dos pecados e para a regeneração, e que vive como Cristo ensinou. Por que estas coisas não as tomamos como pão comum nem bebida comum, mas ao contrário assim como o Verbo de Deus, havendo de encarnado em Jesus Cristo nosso Salvador, se tornou carne e sangue para a nossa Salvação, assim também nos é ensinado que o alimento eucaristizado, mediante a palavra (verbo) de nosso oração precedente d’Ele – O alimento de que nossa carne e nosso sangue, se nutrem com arranjo para nossa transformação – é a carne e o sangue daquele que Jesus que se encarnou. Pois os apóstolos, nos comentários por eles compostos, chamamos evangelhos, nos transmitiram o que assim lhes havia sido transmitido: Que Jesus, tendo tomado o pão e dando graças, dizendo: Façam isso em memória de mim; este é meu corpo, e somente fez eles participantes. (...).”

“67. (...) Depois nos levantamos todos e recitamos orações; e, como antes dissemos, quando terminamos de orar, se apresenta o pão, vinho e água, e o que preside eleva, segundo o poder que nele há, orações e igualmente ações de graças, e o povo aclama dizendo, amém. E se dá e fazem participantes cada um das coisas eucaristizadas, e aos ausentes se envia por meio dos diáconos. (...). “ (São Justino, Primeira Apologia 66 - 67)

“2. Onde Deus fala, como eu disse, pelo Malaquias um dos 12, sobre os sacrifícios, que então eram oferecidos por vós: Minha vontade não está em vós, diz o Senhor, e não vou aceitar as ofertas de suas mãos. Por que desde o nascente do sol até o poente meu nome é glorificado entre as nações, e em todo lugar se oferece incenso ao meu nome e uma oferta pura, para o meu nome é grande entre as nações, diz o Senhor, mas vocês o profanam.”

“3. Desde então prevê sobre os sacrifício que em todo lugar Lhe são oferecidos por nós gentios, isto é, o pão da Eucaristia e também o cálice da Eucaristia, acrescentando que nós glorificamos seu nome, e vocês, por sua vez, o profanam.” (Justino, Diálogo Trifão 41, 2-3)

“3. Pois como aquele Jesus, que é chamado sacerdote pelo profeta, apareceu carregando vestes manchadas..., assim nós, os que pelo nome de Jesus como um só homem temos crido no Deus Criador de todas as coisas, nos despojando, pelo nome de seu filho primogênito, das vestes manchadas..., assim nós, os que pelo nome de Jesus como um só homem temos crido no Deus criador de todas as coisas, nos despojando, pelo nome de seu filho primogênito, das vestes velhas, isto é, dos pecados, inflamados pela palavra de seu lamento, somos a verdadeira raça sacerdotal de Deus; segundo atesta o mesmo Deus ao dizer que em todo o lugar entre os gentios há quem lhe oferece e Ele sacrifícios agradáveis e puros [cf. Mal 1, 11]”

“117,1. Para todos os sacrifícios por este nome, os quais Jesus ordenou serem feitos, ou seja, na Eucaristia do pão e do cálice, sacrifícios feitos pelos cristãos em todos os lugares da terra como Deus testifica de antemão que lhe são agradáveis. Em vez disso rejeita o que vocês fazem, e aqueles que utilizam seus sacerdotes, dizendo: E eu não vou aceitar os sacrifícios em suas mãos, porque desde o nascer do sol até o poente, meu nome é glorificado, diz, entre as nações, e vós profanais [Mal 1,10 ss]” (São Justino, Diálogo com Trifão. C.116s)


SANTO IRINEU DE LIÃO (130 D.C - 202 D.C)

Santo Irineu (bispo e Mártir). Foi discípulo de São Policarpo que por sua vez foi discípulo do apóstolo São João.
Na teologia por Santo Irineu acontece o mesmo com Justino, a certeza de que o pão e o vinho consagrados são o corpo e o sangue de Cristo é clara, e afirma explicitamente que “o cálice está seu próprio sangue” ( o de Cristo) e “o pão não é mais pão comum, mas Eucaristia constituída por dois elementos de terreno e celestes” (Jesus Solano comenta que Santo Irineu não se refere aqui para como a Eucaristia é constituída, mas como se trata de ser constituída: o elemento terreno é “pão” e o elemento celestial é “a invocação (epiclese) de Deus”)

Santo Irineu também deixa o testemunho de que alguns grupos de hereges também compartilhavam a fé da Igreja que o pão e o vinho tornam-se realmente o corpo e o sangue de Cristo, mas para eles pode-se afirmar que o pão consagrado por eles (os hereges) não é realmente, porque eles desconhecem que Cristo é a Palavra, o filho do criador do mundo. Ele exorta-os ou mudar sua mente ou parar de oferecer o sacrifício.

“Mas dando também aos discípulos o conselho de oferecer as primeiras de suas criaturas a Deus, não como se ele as necessitasse, mas para que eles mesmos não fossem infrutuosos ou ingratos, tomou o pão que é algo da criação, e deu graças dizendo: ‘este é o meu corpo’. E da mesma maneira afirmou que o cálice, que é de nossa criação terrena, era seu sangue; e ensinou a nova oblação do novo testamento, a qual a Igreja recebendo dos apóstolos, oferece em todo o mundo a Deus, que nos dar alimento primário de seus dons no Novo Testamento; sobre qual Malaquias, um dos 12 profetas [menores], profetizou assim: ‘Não tenho nenhuma complacência convosco - diz o Senhor dos exércitos - e nenhuma oferta de vossas mãos me é agradável. Porque, do nascente ao poente, meu nome é grande entre as nações e em todo lugar se oferecem ao meu nome o incenso, sacrifícios e oblações puras. Sim, grande é o meu nome entre as nações - diz o Senhor dos exércitos.’ Significando claramente por isto que o povo anterior cessará de oferecer a Deus; por que em todo Lugar se oferecerá sacrifícios a Ele, e este será puro; e seu nome é glorificado entre os povos.”

“4. Como pois, lhe constará que esse pão, nele que são dadas as graças, é o corpo de seu Senhor e o cálice do seu Sangue, se não dizem que Ele é o Filho do Criador do mundo, isto é, o verbo, pelo qual a madeira frutifica, e as fontes emanam, e a terra dá o primeiro broto, depois espiga e finalmente trigo cheio na espiga?” (Santo Irineu - Contra as heresias Livro IV c.17 n.5)

“E como dizem também que a carne se corrompe e não participa da vida, que é alimentada pelo corpo e sangue do Senhor? Portanto, ou mudam de opinião ou deixem de oferecer as coisas ditas. Para nós ao contrário, a crença concorda com a eucaristia, e eucaristia por sua vez confirma a crença. Pois oferecemos a Ele suas próprias coisas, proclamando harmoniosamente a comunhão e união da carne e do Espírito. Por que assim como o pão que é da terra, recebendo a invocação de Deus já não é pão propriamente e sim eucaristia, constituída pelos elementos terrenos e celestiais, assim também nossos corpos recebendo a Eucaristia, não são corruptíveis, mas possuem a esperança da ressurreição eterna.” (Santo Irineu - Contra as heresias. Livro IV c.18 n4s)

“E examinará [o discípulo verdadeiramente espiritual] verdadeiramente a doutrina de Macião, como ele entende que existem dois deuses, separados entre si por uma infinita distância... E como se o Senhor fosse filho de outro pai [distinto do criador], vindo justamente quando, tomando o pão desta nossa criação, confessava seu corpo, e da mistura afirmou ser seu sangue?” (Santo Irineu - Contra as Heresias Livro IV c.33 n.2).

“2. E são vãos por completo os que depreciam toda a ordem divina e negam a salvação da carne e desdenham de sua regeneração, dizendo que não é capaz de revestir-se da incorruptibilidade. Mas si esta [a carne] não se salva, então nem o Senhor nos redimiu com seu sangue, se o cálice da eucaristia é a participação do seu sangue; nem o pão que partimos é a participação do seu corpo. Por que o sangue não procede senão das veias e a carne e do resto da substância humana, da qual verdadeiramente se fez o verbo de Deus, nos redimindo com seu sangue. Como disse também seu apóstolo: no qual temos por seu sangue, redenção, a remissão dos pecados.

Por que somos membros seus e alimentados por meio da criação, e nos brinda a criação, fazendo sair seu sol e chover, como ele quer, assegurou que aquele cálice da criação é seu próprio sangue, com o qual aumenta nosso sangue, e reafirmou que aquele pão da criação é seu corpo com o qual incrementa nossos corpos.”

“3. Quando, pois, o cálice misturado e o que chegou a ser pão recebem o verbo de Deus e se fazem Eucaristia, corpo de Cristo, com as quais a substância de nossa carne aumenta e se vai constituindo, como dizem que a carne não é capaz do dom de Deus que é a vida eterna, a carne alimentada com o corpo e sangue do Senhor, que se faz membro dele?

Como disse o bem aventurado Apóstolo em sua carta aos Efésios: Por que somos membros de seu corpo, de sua carne e de seus ossos; e isto não disse de um homem pneumático [espiritual] e invisível, por que o espírito não tem ossos nem carne, mas de um organismo verdadeiramente humano que é composto de carne, nervos e ossos, e o qual se alimenta de seu cálice, que é seu sangue, e aumenta com o pão, que é seu corpo. E a maneira que brotou da vinha colocada na terra, produziu frutos a seu tempo, e o estoque de grãos de trigos no chão e se desfez, levantou da terra multiplicando pelo Espírito de Deus que todo o contém; e depois da Sabedoria de Deus se tornou útil para os homens, e recebendo a palavra de Deus chegaram a ser Eucaristia, que é o corpo de Sangue de Cristo, assim também nossos corpos, alimentados com ele e colocados na terra e dispostos nela ressuscitarão a seu tempo, concedendo-lhes a ressurreição do Verbo de Deus para a Glória de Deus Pai.” (Santo Irineu Contra as heresias Livro V c.2 n.2s)


TERTULIANO (160 D.C - 220 D.C)

Tertuliano não é considerado um padre da Igreja, mas um apologista, que no final de sua vida caiu em heresia abraçando o montanismo, foi muito lido antes de abandonar a Igreja Católica.

Considero também importante olhar para os escritos de Tertuliano, já que entre alguns protestantes são manipulados e truncados alguns fragmentos fora de contexto de seus escritos para que possam sugerir que Tertuliano acreditava que o pão e o vinho consagrados não eram o corpo de Cristo, mas apenas “símbolos”. Um exemplo da manipulação de textos se encontra no site anti-católico argentino que é administrado por Daniel Sapia, em um trabalho desenvolvido por Guillermo Hernandez Agüero. Colocarei a citação usada pelo Guillermo, e a citação no contexto colocando em vermelho o que o autor não “conseguiu” colocar.

No extrato do artigo em questão, lemos:

“Podemos aprofundar mais sobre os padres, mas nosso tema neste caso é a Santa Ceia. Muito Embora existam alguns Pais que nos podem dizer algo sobre nosso tema: ‘tendo tomado o pão e distribuiu para os discípulos o fez seu corpo, ao dizer: Isto é o meu corpo, a saber, ‘figura do meu corpo’’ (Tertuliano, contra Marcião 4, 40). Tertuliano nos dá a entender que não há nenhum Transubstanciação com o pão; ao contrário nos ensina que é simbólico.”

Observe agora o texto em seu contexto:

“...Com grande desejo tenho querido comer a páscoa convosco antes de padecer, ó destruidor da lei que ainda aspirava observar a páscoa, tão seguro de que deleitaria pela carne do cordeiro judeu. Ou será que era Ele, aquele que tendo que ser levado ao sacrifício como uma ovelha e que, como uma ovelha perante o tosquiador, não deveria de abrir sua boca, desejava realizar a figura de seu sangue salvífico? Poderia também ter sido entregue por qualquer estranho para que não dissesse eu que também neste Salmo estava sendo cumprido: 'Aquele que come pão comigo levantará seu pé contra mim'... Porém, isto teria sido próprio de outro Cristo, não daquele que cumpria as profecias...

Tendo declarado, pois, que Ele, com grande desejo, teria desejado comer a sua própria páscoa, pois seria indigno que Deus desejasse algo alheio, tendo tomado o pão e distribuído aos discípulos, fê-lo seu corpo, dizendo: 'Este é o meu corpo', isto é, 'figura de meu corpo'. Porém não teria sido figura, mas sim corpo verdadeiro. Ademais, uma coisa vã como é um fantasma não poderia conter a figura. Ou se por isto ao pão fez seu corpo, porque carecia de corpo verdadeiro, logo deveria entregar por nós o pão. Fazia - para o vazio de Marcião - que fosse crucificado o pão e nada mais para o melão que Marcião teve ao invés do coração? Não entendeu que é antiga esta figura do corpo de Cristo, que diz por Jeremias: 'Urgiam tramas contra mim, dizendo: Venham! Lancemos uma lasca em seu pão', isto é, a cruz em seu corpo. Assim portanto, aquele que ilumina as antigas figuras, ao chamar de pão ao seu corpo, declarou suficientemente o que queria significar então o pão. E, assim, na comemoração do cálice, constituindo o testamento selado com o seu sangue, confirmou a substância de seu corpo. Porque o sangue não pode ser de corpo algum que não seja de carne. Porque se alguma propriedade não-carnal do corpo se nos opõe, certamente se não for carnal não terá sangue. Assim a prova da realidade do corpo se confirmará pelo testemunho da carne e a prova da realidade da carne pelo testemunho do sangue. E para que reconheças a antiga figura do sangue no vinho, diz Isaías... Muito mais manifestamente o Gênesis, na bênção de Judá, de cuja tribo deveria provir a origem da carne de Cristo, já então esboçava a Cristo em Judá: 'Lavará - disse - em vinho as suas vestes e em sangue de uvas o seu manto', significando a estola e o manto a carne, e o vinho o sangue. Assim agora consagrou seu sangue no vinho aquele que então fez o vinho figura de seu sangue...” (Tertuliano, Contra Marcião L.4 C.40)

Para entender as palavras de Tertuliano, devemos conhecer o contexto. Marcião negava que Cristo tivesse corpo verdadeiro. A força do argumento de Tertuliano contra Macião consistia em que o pão não poderia ser corpo verdadeiro de Cristo, se Cristo não tivesse corpo verdadeiro. Como poderia a Igreja crer na de forma unânime que o pão consagrado era o corpo de Cristo, se Cristo não tinha corpo? E ainda quando disse: “Ao pão fez seu corpo” denota uma mudança de substância. A realidade da Eucaristia e a fé da Igreja demonstravam a realidade física do corpo de Cristo.

Tertuliano utiliza a expressão “figura de seu corpo” para se referir ao corpo real. Tertuliano fala do pão eucarístico como “figura” do corpo de Cristo, por que o verdadeiro corpo de Cristo havia sido no AT anunciado por todos os profetas sob a figura do pão, como o verdadeiro sangue havia sido prefigurado no vinho.

Tertuliano termina mais adiante afirmando a realidade do corpo de Cristo na eucaristia, e fala dela como um “sacramento”. Logo veremos outros escritos onde Tertuliano na eucaristia se pode verificar de forma diáfana. Chama a atenção especialmente quando afirma que sofrem de ansiedade se caem ao chão algo do cálice ou do pão, coisa que não teria sentido se pensar se fossem apenas símbolos.

“Portanto, pelo sacramento do pão e do cálice, já temos provado no evangelho a verdade do corpo e do sangue do Senhor contra o fantasma defendido por Marcião...” (Contra Marcião L.5 c.8)

“O sacramento da Eucaristia confiada pelo Senhor na hora da ceia, e todos, ele também teve reuniões antes do amanhecer, e não nas mãos dos outros, mas de quem presidirá;... sofremos ansiedade, se algo cai no chão do nosso cálice ou então de nosso pão.” (Sobre a coroa C.3)

“O zelo da fé falará chorando neste ponto: é possível para um cristão vem dos ídolos para a Igreja, da oficina do adversário para a casa de Deus, para levantar as mãos mães dos ídolos a Deus Pai; que ore com aquelas mãos para quais foram orar contra Deus, e trazer o corpo do Senhor aquelas mãos que levam corpos aos demônios? ...” (Sobre a idolatria (C.7 (A. REIFFERSCHEID - G. WISSOWA; CSEL 20,1 (1890)36; OEHLER, 1,74 s; ML 1,669 A-B))

“....recebe também então o primeiro anel, com o qual, depois de questionar, sela o compromisso da fé, e assim então é alimentado com as delícias do corpo do Senhor, ou seja, a Eucaristia.” (Sobre a honestidade. C.9 (G. RAUSCHEN: FP (1915) 53s; OEHLER, 1,810 s, ML 2,997 D - 998 C))

Participando de um fórum protestante tive a oportunidade de conversar com o administrador do site anticatólico em questão (Daniel Sapia), e lhe comentei sobre a descontextualização que se havia feito em seu site dos escritos de Tertuliano. Mostrei-lhe este conjunto de textos de Tertuliano que se faz impossível pensar que este apologista pensava que o pão e o vinho consagrados eram simplesmente símbolos, contudo na exceção de um breve comentário em seu site onde se afirma uma posição contrária, e ignora de mencionar estes textos, não foi feita nenhuma correção. Isto já era de se esperar de alguém com tão pouca ética, já que este indivíduo se fez conhecido por publicar artigos sensacionalistas acusando o Papa João Paulo II de ser a mão da obra do Anticristo, de modo que mais essa mentira seria somente mais uma fichinha para ele.


SANTO HIPÓLITO (235 D.C)

“Ambas as coisas proporcionam ao mundo o corpo do Senhor, Sangue sagrado e água Santa” (Santo Hipólito – Sobre os Ladrões (ACHELIS: GChS 211; MG 83,285 A: TEODORETO, Eranistes, diálogo 3))

“Cada fiel procure tomar a eucaristia, antes que haja provado qualquer outra coisa. Pois se é fiel em toma-la, embora lhe dê veneno mortal, não terá poder sobre ele [o veneno]. Todos evitem como diligência que o infiel coma da Eucaristia ou que os ratos ou algum outro animal, nenhuma outra coisa em absoluto caia na Eucaristia e que algo pereça. É o corpo de Cristo, do qual todos os fieis se alimentam, e não deve ser desprezado. (Santo Hipólito – Tradição Apostólica)


ORÍGENES (185 D.C – 254 D.C)

Orígenes não foi Padre da Igreja, mas teólogo e comentarista bíblico. Viveu em Alexandria até 231, passou os últimos 20 anos de sua vida em Cesaréia do Mar, Palestina e viajando pelo Império Romano.

No que diz respeito aos escritos de Orígenes a Eucaristia segue a mesma linha que o resto dos pais. Como Tertuliano expressa preocupação de que o pão e o vinho consagrados caiam ao chão. Ele afirma que assim como o maná era a comida em enigma, agora claramente a carne do Verbo de Deus é verdadeiro alimento, como ele mesmo diz, a minha carne é verdadeira comida e o meu sangue é verdadeira bebida.” Em todos esses casos, Orígenes se refere a “verdadeiro alimento” não como pão, mas como “a carne do Verbo de Deus”. Ele também afirma que receber o corpo indignamente traz a ruína para si e refere-se a Eucaristia como “mesa do Corpo de Cristo e do próprio cálice de seu sangue”.

"Conheceis a vós que assistis aos divinos mistérios, como quando recebeis o corpo do Senhor o guardais com toda cautela e veneração, para que não caia nem um pouco dele, nem desapareça algo do dom consagrado. Porque - corretamente - crês que sereis réus se perderdes algo dele por negligência. E se empregais - corretamente - tanta cautela para conservar o seu corpo, como julgais ser coisa menos ímpia se descuidar de sua palavra que ao seu corpo?" (Sobre o Êxodo. Homilía 13,3;)

"Antes, o batismo estava oculto na nuvem e no mar; agora, a regeneração está claramente na água e no Espírito Santo. Então o maná era alimento em enigma; agora claramente a carne do Verbo de Deus é verdadeiro alimento, como Ele mesmo diz: 'Minha carne verdadeiramente é comida e meu sangue é verdadeiramente bebida'" (Sobre Números. Homilía 7,2).

"...Se sobes, pois, para celebrar com Ele a Páscoa, te dará o cálice do Novo Testamento e te dará também o pão da bênção; te concederá seu corpo e sangue" (Sobre Jeremias. Homilia 19,13).

"E entrarão nelas [as coisas escolhidas do mundo] sem consideração {Ez 7,22 LXX; cfr. v.20 LXX} ...Assim, deve-se dizer que entra sem consideração nas coisas santas da Igreja aquele que, após o ato conjugal, indiferente à impureza que contraiu, consente em orar sobre o pão da Eucaristia; esta pessoa profana as coisas santas e pratica uma ação descomposta" (Sobre Ezequiel 7,22;).

"Não temes comungar o corpo de Cristo ao te aproximares da Eucaristia como se fosses limpo e puro? Como podereis fugir ao juízo de Deus? Não recordas daquilo que está escrito: 'Por isso há entre vós muitos debilitados e doentes e muitos que morrem'? Por que muitos debilitados? Porque não julgam a si mesmos, não se auto examinam, não entendem o que é participar da Igreja, nem o que é aproximar-se de tantos e tão exímios sacramentos. Padecem daquilo que costumam a padecer os febris quando se atrevem a comer dos manjares dos sãos; ou seja, trazem para si a própria ruína" (Sobre o Salmo 37. Homilía 2,6;).

"E Celso, por essa razão, como homem que desconhece a Deus, oferece suas obras de graças aos demônios. Nós, ao contrário, dando graças ao Criador de tudo, comemos dos pães oferecidos com a ação de graças e a oração sobre os dons recebidos, constituídos pela oração em um corpo santo e santificador dos que se servem dele com são propósito" (Contra Celso. L.8. c33;).

"[Mat. 26,23]... E se podes entender a mesa espiritual e o alimento espiritual e a ceia do Senhor, de tudo isto tinha se dignado Cristo fazer participar [a Judas]; mas verás que pela grandeza de sua maldade - eis que entregou o Salvador, mestre e também alimento da divina mesa e do cálice (e isto no dia da Páscoa) - sem dar atenção aos bens corporais do amor do mestre, nem dos [bens] espirituais de sua doutrina, repartida sempre sem inveja. Como este [Judas] são na Igreja todos aqueles que levantam azedumes contra os seus irmãos, com os quais frequentemente estiveram juntos na mesma mesa do corpo de Cristo e no mesmo cálice de seu sangue" (Orígenes. Serie de comentários. 82).

Poderia citar muito mais, mas já basta. Hoje um herege dormirá sabido.
É ótimo que ele apresente a Didaqué e a Patristica a seus pares, assim tomarão conhecimento que a Igreja de Cristo em nada se assemelha a deles. Dezenas de pastores se converteram católico depois de estuda-las.

Por Fernando Nascimento.
Grifos nosso.

Fontes:
- Apologetica.org
- Tradução: Carlos Martins Nabeto

- RRAIZ, José Miguel. A transubstanciação (Eucaristia) e a Igreja Primitiva. Disponível em: . Desde 19/04/2013. Tradução: Rafael Rodrigues

Fimdafarsa.



quarta-feira, 11 de março de 2020

A IGREJA PRIMITIVA É A MESMA IGREJA CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA DE NOSSOS DIAS.



Afrescos católicos de meados do século III



As afirmações a seguir são repetidas há séculos pelos diversos inimigos da fé católica, sobretudo os evangélicos: "Constantino fundou a Igreja Católica", ou, "A Igreja Católica surgiu a partir da mistura com crenças pagãs no século IV", ou ainda, "A corrupção pagã, a apostasia da fé tomou conta da Igreja já após a morte do último Apóstolo."

Mas a verdadeira história destrói facilmente essas repetidas mentiras, como veremos nos links abaixo. Os três primeiros links, são de fontes católicas. O primeiro é um excelente artigo do site Veritatis Catholicos. Os outros dois são pequenos vídeos feitos pelo Padre Mike Schmitz e pelo apologista católico Jimmy Akin, CONVERTIDO do protestantismo há 26 anos, que nos trazem apenas um pequeno aperitivo pra combater essas lendas urbanas. Mas a DESTRUIÇÃO TOTAL delas, vem por conta dos outros links que estão colocados mais abaixo.

Isso porque eles nos remetem aos trabalhos acadêmicos de 4 renomados estudiosos do Cristianismo. Nenhum deles católico, mas todos com honestidade intelectual suficiente para admitir, não sem uma pequena dose de relutância, "mas" e "poréns", que Constantino e o século IV em si NADA tiveram a ver com o surgimento da Igreja Católica. O trabalho destes 4 estudiosos, sendo três deles representantes do protestantismo conservador e o outro representante do movimento cristão liberal, PROVAM, mesmo que a contragosto deles próprios, que a Igreja Primitiva ( ano 100 a ano 300 ) já acreditava em pelo menos uma dezena de crenças tipicamente católicas. Sendo que o restante das doutrinas católicas que ainda não estavam presentes nesta época ( Imaculada Conceição, Assunção de Maria, os sete Sacramentos, amplo uso de imagens, etc ) surgiriam em anos posteriores como resultado lógico do conceito conhecido como "Desenvolvimento da Doutrina".

Estamos aqui falando da época da Igreja Primitiva, um período onde NÃO existia ainda a definição do cânone bíblico, sobretudo do Novo Testamento. Isto só ocorreria em FINS do século IV. Ou seja, se esta dezena de crenças tipicamente católicas, já cridas pelos cristãos desta época primitiva da Igreja, foi resultado de "paganismo, ou desvio da fé", por que os protestantes e outros cristãos não costumam dizer, então a veracidade e inspiração do cânone bíblico, sobretudo do Novo Testamento, também esta totalmente comprometida e corrompida? Afinal, foram os mesmos cristãos que criam neste conjunto de crenças católicas que lutaram pra definir o cânone do Novo Testamento e isso só láááá pelo final do século IV. Estariam os Protestantes, Testemunhas de Jeová, Adventistas, Desigrejados e outros críticos da Igreja Católica dispostos a admitir que o cânone do NT é fruto de corrupção pagã? Acho que não né? 

E só pra constar, por Igreja Primitiva, aqui estamos falando do período histórico que vai do ano 100 ao ano 300, período coberto pelas pesquisas destes referidos acadêmicos. Portanto, como pode ser notado, este é um período histórico ANTERIOR a chegada de Constantino ao poder. Logo, ele NADA teve a ver com o fato de os cristãos primitivos começarem a crer nestas doutrinas, pois este nem era governante nesta época. Isso só ocorreria no ano 303, e o seu Édito de Milão, que daria liberdade as religiões, só seria promulgado no ano 313.

Agora, vamos enumerar as doutrinas que os cristãos primitivos que viveram neste período que vai do ano 100 ao ano 300, acreditavam. Sempre seguindo as conclusões destes 4 estudiosos NÃO católicos de que falamos. Também serão colocados abaixo os links para os livros destes pesquisadores para quem quiser conferir a veracidade das informações aqui prestadas. Segue-se então:

Os cristãos primitivos que viveram entre os anos 100 a 300, ANTERIORES a Constantino, já acreditavam nas seguintes doutrinas:

1- Superioridade do Bispo de Roma.
2- Regra de fé da Igreja sendo a Bíblia + Tradição+ Magistério.
3- Importância da visibilidade e da hierarquia na Igreja.
4- Sucessão Apostólica.
5- Presença real na Eucaristia e ela sendo um sacrifício.
6- Surgimento da Mariologia.
7- Batismo infantil e como remissor dos pecados.
8- Penitência.
9- Culto aos Santos.
10- Sacerdócio ministerial dos Padres.
11- Valorização do celibato.
12- Purgatório.
13- Crisma.

Agora, finalmente, vamos colocar aqui os links introdutórios de fontes católicas e as fontes para as pesquisas daqueles 4 estudiosos NÃO católicos:


Link para o vídeo de Jimmy Akin: https://youtu.be/Ntzk1e6uasE

Link para o vídeo do Padre Mike Schmitz: https://youtu.be/UYK6GlPdHwY

Philip Schaff, historiador e teólogo da Igreja Reformada alemã. Provavelmente um ramo da Igreja Presbiteriana. No livro: "Historia da Igreja Cristã" - Volume 2 Capítulos 4, 5, 6, 9 e 12:






Adolf Von Harnack, historiador e teólogo do ramo cristão liberal. Considerado o maior expoente da teologia liberal, também conhecido como movimento dos cristãos sem Igreja. Em seus livros: "História do Dogma" - Volume 1; Capítulo 3 e "Expansão do Cristianismo nos Primeiros Três Séculos" - Volume 2; Capítulos 5, 6, 7 e Epílogo e Volume 3; Capítulo 4 :




JND Kelly, historiador e teólogo da Igreja Anglicana. No seu livro: "Patrística- Origem e Desenvolvimento das Doutrinas Centrais da Fé Cristã" - Capítulos 2, 8, 15 e 18:


Jaroslav Pelikan, historiador e teólogo da Igreja Luterana. No seu livro: "A Tradição Cristã" - Volume 1- Uma História do Desenvolvimento da Doutrina - Capítulos 2, 3 e 7":


Pois bem, aí estão as provas históricas, mais do que insuspeitas, produzidas por 4 acadêmicos NÃO católicos, que atestam que a Igreja Primitiva dos três primeiros séculos já era a mesma Igreja Católica Apostólica Romana de hoje.

Por Pedro José

Fimdafarsa

domingo, 2 de fevereiro de 2020

Textos que Incomodam o Protestantismo




O que você vai ler a seguir é fruto de dezenas de diálogos com irmãos separados: vamos fornecer uma lista de 5 versículos importantíssimos, que costumam romper totalmente o nosso diálogo com esses irmãos, já que não tendo resposta para eles, infelizmente acabam abandonando a conversa e, vez ou outra, soltam também algum insulto.

1º) Mateus 16,18-19: “E eu também te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; e as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do reino dos céus e tudo o que ligares na terra será ligado no céu; e tudo o que desligares na terra será desligado no céu”.

Pergunta: Como você interpreta este texto?

Possíveis argumentos do irmão: Poderá dizer, como sempre, que Jesus não estava falando em edificar a Igreja sobre Pedro, mas sobre Ele mesmo ou sobre esta confissão: “Jesus é o Cristo que todos os cristãos devem confessar”; ele pode remeter você a textos que não provam esses argumentos, tais como Efésios 2,20; 1Pedro 2,4-7; 1Coríntios 10,4; Atos 4,11, já que Pedro é chamado Pedra de edificação enquanto Cristo é chamado Pedra fundamental, coisas que não são contraditórias.

Única Resposta: Jesus está falando particularmente com Pedro e não com uma confissão de fé feita por Pedro, já que todo o texto possui termos demonstrativos como tu, te digo, te darei, referindo-se a Pedro e não à sua confissão, confissão esta que também não pode ligar ou desligar. E ainda que todos os Apóstolos posteriormente venham a receber este poder, juntamente com Pedro, só Pedro recebe as chaves do reino dos céus.

Conclusão: Jesus está entregando particularmente a Pedro a promessa da edificação da Igreja, deixando-o como herdeiro e com toda autoridade para ligar e desligar. O irmão separado não pode interpretar esse texto de maneira diferente e nem usar outros textos bíblicos sem antes interpretar este.

2º) João 21,15-17: “Depois de ter comido, Jesus disse a Simão Pedro: ‘Simão, filho de Jonas: tu me amas mais do que estes?’ Pedro respondeu: ‘Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo’. Disse-lhe Jesus: ‘Apascenta os meus cordeiros’. Pela segunda vez, tornou a dizer-lhe: ‘Simão, filho de Jonas: tu me amas?’. Ele respondeu: ‘Sim, Senhor, tu saber que eu te amo’. Disse-lhe Jesus: ‘Apascenta as minhas ovelhas’. Disse-lhe pela terceira vez: ‘Simão, filho de Jonas: tu me amas?’ Pedro, triste por ser-lhe perguntado o mesmo pela terceira vez, respondeu: ‘Senhor: tu sabes tudo; tu sabes que eu te amo’. Disse-lhe Jesus: ‘Apascenta as minhas ovelhas'”.

Pergunta: Como você interpreta este texto, argumentando que somente Cristo ou o Espírito Santo são os Pastores da Igreja, quando vemos nitidamente que Jesus nos deixou um pastor visível?

Possíveis argumentos do irmão: Não sabe responder ou apenas diz que a morte de Pedro pôs um ponto final em tudo.

Única resposta: Jesus está particularmente falando com Pedro e explicitamente o deixando encarregado da Igreja (as ovelhas de Jesus).

Conclusão: Jesus entregou a ordem de pastoreio da Igreja a um homem, não ao Espírito Santo, nem a todos os seus Apóstolos. É prova certa que Pedro foi o primeiro líder da Igreja, de modo que, ao falecer, algum outro cristão deveria ocupar o seu cargo, como vemos em textos como Atos 20,17-28; 14,23 e 1Pedro 5,1-11.

3º) Tiago 2,14-24: “Irmãos: o que aproveita se alguém diz que tem fé e não tem obras? Poderá a fé salvá-lo? (…) Assim também a fé, se não tiver obras, está morta. Mas alguém dirá: ‘Tu tens fé e eu tenho obras’. Mostra-me a tua fé sem obras e eu te mostrarei a minha fé pelas minhas obras. Tu crês que Deus é um: fazes bem; também os demônios creem e tremem. Mas queres saber, homem vão, que a fé sem obras está morta? Abraão, nosso pai, não foi justificado pelas obras quando ofereceu o seu filho Isaac sobre o altar? Não enxergas que a fé agiu juntamente com as suas obras e a fé se aperfeiçoou com as suas obras? E assim se cumpriu a profecia que diz: ‘Abraão creu em Deus e lhe foi contado por justiça, sendo chamado amigo de Deus’. Vês, portanto, que o homem é justificado pelas obras e não somente pela fé”.

Pergunta: Como você interpreta este texto à luz da doutrina de que o homem é salvo somente pela fé, sem as obras?

Possíveis argumentos do irmão: Não responde a esta pergunta, mas remete a outros textos inválidos: Atos 16,30; Romanos 10,9.13; João 6,47; 3,16 e 3,36, que de maneira nenhuma afirmam que somente ou unicamente devemos crer assim; isso não se encontra em lugar nenhum da Bíblia. Também remete a textos que fazem menção às obras da Lei [mosaica] e não às boas obras, como Efésios 2,8-9 e Romanos 3,28.

Única resposta: A fé e as obras são necessárias para a salvação, já que esta é a única parte da Bíblia em que encontramos as obras e as palavras “somente pela fé”, e isto para afirmar que que o homem NÃO é justificado somente pela fé, mas também pelas suas obras. As obras mencionadas por São Paulo são as obras da Lei, não são as boas obras; as obras da Lei são aquelas constantes na Torá Judaica, também chamada “Lei de Moisés”, coisa que não nos justifica como cristãos. Se o irmão separado vier a afirmar que os textos que ele aponta tratam das boas obras, então ele também deverá aceitar o argumento de que a Bíblia se contradisse!

Conclusão: A doutrina do “somente pela fé” é uma invenção que a Bíblia explicitamente nega.

4º) Coríntios 11,27-34: “De maneira que qualquer um que indignamente coma deste pão ou beba do cálice do Senhor será culpado do corpo e do sangue do Senhor (…) Portanto, que cada um examine a sua consciência e coma do pão e beba do cálice; aquele que come e bebe indignamente, sem discernir o Corpo do Senhor, come e bebe o seu próprio juízo (…) Assim, pois, se um homem tem fome, que coma em sua casa e não se reúna para condenação”.

Pergunta: Do que está tratando São Paulo? Que podemos comer e nos condenarmos se não discernimos (estar conscientes do que ingerimos)?

Possíveis argumentos do irmão: Persistirá que é um mero símbolo ou memorial sagrado, do qual se deve participar com respeito.

Única resposta: Relatando o culto da Igreja primitiva, Paulo afirma que se não discernirmos o Corpo e o Sangue do Senhor no pão e no vinho que nos é dado, podemos nos condenar a nós mesmos.

Conclusão: Não é um mero pão, nem um mero vinho, mas há aí algo muitíssimo mais sagrado, que pode inclusive nos levar ao extremo da condenação: concretamente, o Corpo de nosso Salvador, Jesus Cristo. Isto porque ninguém pode se condenar por ingerir pão e vinho simples, já que o que entra [materialmente] pelo corpo não o torna mais ou menos pecador (cf. Marcos 7,14-23).

5º) 1Pedro 3,18-21: “Porque também Cristo padeceu uma só vez pelos nossos pecados – o justo pelos injustos – para nos levar a Deus, tendo morrido na carne, mas vivificado em espírito, no qual também foi e pregou aos espíritos encarcerados, aqueles que outrora desobedeceram, quando a paciência de Deus esperava, nos dias de Noé, a preparação da arca, na qual poucas pessoas – isto é, oito – foram salvas pela água. O batismo, que corresponde a isto, agora nos salva (não lavando as imundícies da carne, mas como aspiração de uma boa consciência para com Deus), pela ressurreição de Jesus Cristo”.

Pergunta: O que é que Pedro afirma que nos salva agora?

Possíveis argumentos do irmão: Não sabe ou, melhor, não quer responder.

Única resposta: O Batismo é necessário para a salvação, não somente a fé.

Conclusão: O Batismo faz parte das obras cristãs que respondem à salvação que Deus nos outorgou gratuitamente. Ninguém que se diga cristão pode dizer que o Batismo não salva. Portanto, é um erro que o irmão evangélico diga que foi salvo quando fez a oração aceitando Jesus Cristo como Salvador, uma vez que desconsidera as águas do Batismo como fonte e requisito para se receber a graça da salvação.

Utilize os textos e argumentos acima nos seus debates e conversas e, seguramente, você estará semeando a semente da verdade.

Fonte: Revista Vox Veritas nº 4
Autor: Joel Adán Domínguez
Tradução: Carlos Martins Nabeto
via:Veritatis Splendor