sábado, 1 de janeiro de 2011

Quem disse que a Terra era plana?

Encontrando os culpados pelo mito


Se a esfericidade da Terra não era questionada nos círculos eruditos da Idade Média então quem inventou o mito da Terra plana? (ou mais apropriadamente: o mito de que as pessoas acreditavam que a Terra fosse plana).

O historiador J. B. Russel, no livro "Inventing the Flat Earth" ("Inventando a Terra Plana" - 1991), procurou os responsáveis pela propagação do mito e descobriu dois culpados: o francês Antoine-Jean Letronne (1787-1848) e o americano Washington Irving (1783-1859). Letrone, um historiador muito respeitado mas com um grande preconceito religioso, foi responsável por atribuir ao "Topografia Cristã" de Cosmas Indicopleustes uma importância histórica que ele nunca teve, concluindo que todos na Idade Média acreditavam que a Terra era plana. Cosmas por exemplo, foi considerado um tolo ignorante pelo filósofo grego cristão John Philoponus (490-570). Muito antes disso, Santo Agostinho (354-430), doutor da Igreja, no seu livro "A Cidade de Deus" (De Civitate Dei), escreveu: "Apesar de estar supostamente ou cientificamente provado que a Terra tem a forma esférica, disto não decorre que o outro lado do mundo seja desprovido de mares, nem decorre imediatamente que, sendo desprovido de mares, seja habitado."

Pensar como Irving , seria como se daqui a mil anos alguém encontrasse um obscuro trabalho científico questionando a Genética e afirmasse que os cientistas do século XXI não acreditavam na Genética. Segundo Russel, devido ao enorme prestígio e reputação de Letrone, esta interpretação particular dos fatos não foi questionada pelos historiadores posteriores e passou a circular como verdade nos meios intelectuais.

Washington Irving, por outro lado, era antes de nada mais um romancista. Ele é o autor do conto que já virou desenho e filme: "A Lenda do Cavaleiro sem Cabeça". Como historiador entretanto, costumava levar sua habilidade de escrever ficção para suas biografias, romanceando fatos que nunca aconteceram. Segundo o pesquisador Owen Gingerich, em seu artigo "Astronomy in the Age of Columbus" ("Astronomia no Tempo de Colombo"; Scientific American, novembro de 1992), logo após a revolução americana Irving estava procurando por um herói não inglês para contrapor ao famoso explorador inglês Sebastian Calbot, o primeiro homem a chegar ao Polo Norte, e enxergou em Colombo a pessoa certa.

Na biografia de Cristovão Colombo, "Columbus", publicada em 1828, Irving descreve um episódio real - o Conselho de Salamanca em que Colombo apresenta seu projeto a um grupo de religiosos e leigos - porém "enriquece" a narrativa afirmando que Colombo foi “acusado de heresia” por sustentar que a Terra fosse redonda, o que supostamente seria contrário às Escrituras. É verdade que Colombo sofreu sérias objeções das autoridades católicas presentes, mas a questão nunca foi se a Terra era redonda ou não, e sim o tamanho desta. Colombo supunha que a Terra fosse muito menor do que é na realidade (considerava-a com apenas 20% de seu tamanho real), enquanto seus opositores diziam ser impossível chegar às Índias percorrendo uma distância que consideravam muito maior (os opositores de Colombo estavam certos; se a América não estivesse no meio do caminho de Colombo ele e sua tripulação teriam morrido à míngua de recursos). A narrativa conforme floreada por Irving transformou o debate de Salamanca em um símbolo da luta entre o “campeão da liberdade científica” e o dogmatismo teólogico, e caiu no gosto popular como mentira preferida.

Letrone deu ao mito da “Terra plana” sua base “histórica”, Irving sua carga emocional que embriaga os incautos, e o mito ganhou a força que tem até hoje. Pegando um gancho no embuste, John Draper (1811-1882), um físico violentamente anti-católico, publicou em 1873 o livro "A História do conflito entre a Ciência e a Religião", utilizando o mito da “Terra plana” como exemplo de que as crenças religiosas eram “estúpidas” e “atrasadas” e necessariamente “se opunham ao progresso da ciência”. Através de Draper o mito da “Terra plana” chegou como verdade absoluta até o início do século XX, e só nos anos 20 começou a ser questionado.

É deste modo que são plantadas as mentiras contra a Igreja Católica.



Referências Bibliográficas:

- Projeto Ockham

- Woods, Thomas Jr, “How the Catholic Church Built Western Civilization”; Regury Publishing Inc., Washington, DC, 2005.Wright, Jonathan, “The Jesuits: Missions, “Myths and Histories”, London: Harper Collins, 2004, pp. 18-19.


.


.


.

16 comentários:

Colbert disse...

Sei que você está passando adiante o que ouviu falar ou o que escreveram. O problema é que muitas vezes acabamos passando adiante inverdades. Você já leu o livro “A History of the Life and Voyage of Christopher Columbus” do autor Washington Irving que o tal J. B. Russel se baseou para criar o mito da terra plana? Não vou entrar em detalhes, mas no livro do Irving, embora muito fantasioso, o encontro de Cristóvão Colombo no Conselho de Salamanca, não tem qualquer referência sobre ser a terra plana. Existem discussões sobre ideias defendidas por Santo Agostinho, como os tais antípodas, afirmando que a terra seria completamente coberta por água, salvo o hemisfério norte, ideia compactuada por Sacrobosco, em seu livro A Esfera que ainda era consultado na época do Colombo. Outra questão era sobre a zona tórrida, e etc. Parece que o inventor do mito da terra plana não foi o Washington Irving, mas o tal J. B. Russel (Inventing the Flat Earth), para justificar o injustificável: no início os pensadores do cristianismo acreditavam na terra plana, porque conheciam o original hebraico e ainda não possuíam o conhecimento científico que se tem hoje. Somente após muitas discussões, e cada vez mais com a penetração do conhecimento grego, os católicos começaram a adaptar e hoje tem-se a impressão que desde sua origem a igreja acreditava que deus criou o Universo por intermédio do Big Bang.

Anônimo disse...

Respondendo ao Colbert

1) Na biografia de Cristóvão Colombo,[1] Irving introduziu a ideia errônea de que os europeus acreditavam que o mundo era plano antes da descoberta do Novo Mundo.[2] Influenciados por Irving, o mito da Terra plana foi ensinado nas escolas durante várias gerações estadunidenses.[3][4]

[1] - Ver Irving, 1828; and his 1829 abridged version.

[2] - Ver Irving, 1829, Chapter VII: "Columbus before the council at Salamanca", pp. 40–47, especially p. 43.

[3] - Grant (Edward), 2001, p. 342.

[4] - Grant (John), 2006, p. 32, in the subsection "The Earth – Flat or Hollow?" beginning at p. 30, within Chapter 1 "Worlds in Upheval".

2) Você divaga sobre palavras atribuídas a S. Agostinho mas não cita fontes, simplesmente porque elas não existem. Dá impressão que não leu o artigo postado.

Se pensa que os cristãos acreditavam que a terra fosse plana, é porque acreditou no embuste ilustrado por Cosmas Indicopleustes em seu "Topografia Cristã". Cosmas por exemplo, foi considerado um tolo ignorante pelo filósofo grego cristão John Philoponus (490-570). Muito antes disso, Santo Agostinho (354-430), doutor da Igreja, no seu livro "A Cidade de Deus" (De Civitate Dei), escreveu: "Apesar de estar supostamente ou cientificamente provado que a Terra tem a forma esférica, disto não decorre que o outro lado do mundo seja desprovido de mares, nem decorre imediatamente que, sendo desprovido de mares, seja habitado."

3) Infelizmente você não está bem informado. Foi o católicos Copérnico que desbancou o sistema Geocêntrico dos gregos com o Heliocentrismo. Foi o padre Georges Lemaître quem primeiro teorizou sobre o Big Bang, leia:
http://www.gazetadopovo.com.br/blog/tubodeensaio/?id=1141297&tit=o-padre-georges-lema%C3%AEtre-viu-bem-mais-que-a-teoria-do-big-bang

Caro amigo, você esta confundindo o catolicismo com o protestantismo.

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
fimdafarsa disse...

Todos os comentários conjecturosos e completamente desprovidos de fundamentos serão excluídos. Não adianta ressuscitar a mentira com 'achologias' por amor a mentira.

Unknown disse...

Caramba ta difícil arrumar alguém pra rebater fisicamente o que os terraplanistas dizem. Que se dane Irving. Eu não quero saber a biografia dele, até porque isso não prova a esfericidade da terra. Será que alguém consegue pegar os argumentos mais intrigantes, não os mais idiotas dos terraplanistas e refutar seriamente. Honestamente, parecem dois extremos, os defensores da nada contra os combatentes da nada. Dá pra parar a palhaçada e discutir de maneira séria e objetiva???

Oscar Luiz disse...

Você olha para o céu e vê todos os astros com forma esférica... Só a terra é plana?

Mario S Souza disse...

GOSTEI DESTE BLOG, PARABÉNS PELO TRABALHO SEMPRE EM BUSCA DA VERDADE.

Anônimo disse...

Com tem nego ignorante... Claro q a terra é plana! Estude física e conseguira provar .

Vinicius M.R.A disse...

cara vc que é mongo estude fisica VC porque a terra é esferica por causa da gravidade e o magnetismo no centro do nosso planeta terra a teoria da terra plana é ridicula

Anônimo disse...

a esfericidade da terra é uma farsa!

Anônimo disse...

1 - é afirmando que pode-se observar a curvatura da terra vendo barcos sumindo no horizonte, mas caso isso acontecer basta apenas pegar um bom binóculo que o navio ou o barco retorna a sua visão, o que acontece é que quando um objeto se afasta ele fica menor até sumir e isso não se dá por conta de uma curvatura mas por conta da PERSPECTIVA, nossa visão tem um limite e esse limite pode ser recuperado através de uma luneta ou um binóculo, conclusão: os gregos NUNCA tiveram um instrumento óptico até porque o mesmo ainda não existia, barcos sumindo no horizonte NÃO PROVAM que a terra é uma esfera então esta base empírica está REFUTADA!

2 - é afirmado que eclipses lunares provam a esfericidade da terra pois a "sombra da terra" se projeta na lua, a pergunta é: quem disse que é a sombra da terra??? e digo isso pois com o passar dos séculos e no decorrer da história já existem MAIS DE 100 REGISTROS de eclipses lunares ocorrendo com o sol e lua sendo vistos AO MESMO TEMPO, LADOS OPOSTOS e AMBOS ACIMA DO HORIZONTE , considere-se que você está aqui na terra e está vendo o sol e a lua do outro lado e nela ocorrendo um eclipse, a pergunta é: a terra está interferindo no que?? ou melhor de quem é a sombra que está se projetando na lua???? não é da terra, eu sei o que é mas você sabe o que é? NÃO, porque isso nunca te contaram, então eclipses luares não provam que a terra é um esfera pois não se trata da sombra da terra se projetando na lua, eclipses lunares NÃO PROVAM que a terra é uma esfera então essa base empírica está REFUTADA, conclusão: os gregos nunca viram um eclipse lunar com o sol e lua vistos ao mesmo tempo até porque isso começou a ocorrer muito depois do século 6.

3 - é afirmado que o método Eratóstenes provou que a terra é uma esfera por causa da experiência das varetas em que na cidade de siena quando o sol se encontrava no zênite do posso que lá estava não fazia sombra mas em Alexandria no mesmo dia e na mesma hora o posso que lá estava fazia sombra, obs: Siena ficava 800km distante de Alexandria, então Eratóstenes colocou varetas no chão para fazer o mesmo experimento e afirmou que o sol deveria estar tão longe que seus raios chegariam a terra paralelos, porém esse método também pode ser explicado numa terra plana e com um sol menor iluminando localmente e pelo sol ser menor do que a terra seus raios seriam divergentes, basta que a fonte de luz esteja mais próxima de uma vareta do que a outra, esse método é tão ridículo que tá dá pra refuta-lo no chão de uma sala colocando dois giz perpendicular ao chão, um debaixo da lâmpada e outro mais distantes, o giz que estiver debaixo da lâmpada não terá nenhuma sombra mas o giz que estiver distante nesse terá uma sombra projetada, conclusão: a sala é "curva", Eratóstenes pensou da maneira mais difícil de algo tão fácil de se entender, na verdade o sol ilumina localmente por onde ele passa, método Eatóstenes não prova que a terra é uma esfera pois também pode ser explicado numa terra plana e com um sol menor iluminando localmente então essa base empírica está REFUTADA.

4 - é afirmado que a circum-navegação provou a esfericidade da terra porque Fernão de Magalhães deu a volta ao mundo, Filhão pense: você vai dá uma volta ao redor de um campo, de uma quadra, de uma campo, de uma casa, de um prédio, de um quarteirão, agora raciocine: ao completar essa volta aonde que você vai parar??????????????????????? Exatamente, de onde começou! então você dirá que o local é "esférico" só pelo simples fato de ter completado uma volta?????????? claro que não! é por isso que o nome é a VOLTA AO MUNDO, você dá literalmente uma volta e retorna ao local de origem do início de partida! conclusão: assim como todos nós fernão de magalhães também aprendeu e foi ensinado que a terra "é redonda" e por ter dado a volta ao mundo pensou que deu uma volta "no globo".

Anônimo disse...

A Terra e plana e udo que e oculto um dia sera revelado?

Anônimo disse...

Para se chegar a esfericidade da Terra, basta analisar a impossibilidade de uma Terra plana. Eis algumas delas:

Primeiro vamos tentar o modelo de Terra plana na qual o Sol e a Lua circundam o suposto disco planetário;

1) Neste formato vamos fazer o Sol e Lua dar uma volta completa no planeta Terra plano. Nesta tentativa eles darão uma volta ao redor do plano da terra passando sobre a superfície causando o dia e cruzando em baixo do mesmo causando a noite. Neste modelo o Sol deveria passar sobre aquecendo duas regiões do planeta que neste caso deveria ser sempre sobre as regiões que sabemos ser mais quentes, ou seja, sobre ou nas proximidades da Linha do Equador. Pois bem, para isso o final da terra ou abismo (ou domo) deveria estar sobre alguma região terrestre quente e/ou sobre os oceanos. Infelizmente ainda não encontramos nenhum abismo ou domo nem nos oceanos, nem em qualquer região terrestre habitável.


Agora vamos tentar o modelo de Terra atual diante a impossibilidade do primeiro na qual o Sol e a Lua fazem movimentos circulares em cima de um fictício disco plano da Terra.

1) O pôr do sol. Se Terra fosse plana neste formato seria um completo absurdo que o sol, a lua ou qualquer corpo celeste descesse para baixo da linha do horizonte, como vemos diariamente acontecer com o sol. Ele deveria, em vez disso, afastar-se próximo ao horizonte e ir diminuindo de tamanho conforme se afastasse. Neste caso, qualquer observador terrestre perceberia o disco solar e lunar diminuírem e aumentarem drasticamente de tamanho durante o dia conforme eles se movimentassem no céu. Porém não vemos isso acontecer. Outro problema grave e que e qualquer teste simples de mesa revela é que a Luz segue uma linha reta. Neste caso o Sol iluminando um plano sem nunca sair de cima do mesmo, jamais aconteceria noite. Ou seja, neste caso o Sol seria visível 24 horas por dia em todas qualquer parte do plano (ainda que este plano tenha milhares de milhares de km de extensão.

2) A Estrela Polar. Não se pode ver a Estrela Polar do hemisfério sul. Se a Terra fosse plana, todas as estrelas do céu estariam visíveis a todos, em 100% do tempo.

3) As fases da lua. Todos no mundo vêem a lua tendo a mesma fase. Se é lua crescente no Brasil, é lua crescente nos Estados Unidos também. Se a Terra fosse plana, cada pessoa em cada parte do mundo veria a lua de um jeito diferente, porque ela estaria muito próxima.

4) A gravidade. Quem defende a Terra plana costuma dizer que gravidade não existe e que, em vez disso, o que faz as coisas caírem é a densidade. Coisas mais densas caem e as menos densas não. Para exemplificar isso, eles mostram imagens de tubos de ensaio cheios de fluidos de diferentes densidades distinguidos pela cor, onde os mais densos se ajuntam embaixo e os menos densos em cima. O problema com esse modelo é que os fluidos só se arranjam desta forma porque há uma força agindo sobre eles. Se você misturasse fluidos de diferentes densidades em um ambiente sem gravidade, nada aconteceria com eles porque não haveria uma força atraindo mais intensamente os fluidos mais densos para uma direção, deixando os menos densos para trás.

5) A distorção das distâncias. No globo, se você fizer uma viagem de São Paulo à África do Sul ou de Nova York para Portugal, as distâncias das duas será semelhante, e o tempo de viagem também. Na Terra plana, a primeira viagem (SP - África do Sul) seria muito maior do que a segunda, e, portanto, demoraria muito mais tempo para ser feita, e seria um absurdo supor que, para as duas viagens terem a mesma duração, os aviões no hemisfério norte ficam desviando das rotas para gastar o tempo.

Ainda há muitas e muitas outras impossibilidades no conceito de Terra plana, mas por hora estes já revelam o sério problema de se tentar defender esta ideia. Não precisa de NAZA, de cientistas, nem mesmo de telescópios ou qualquer avanço da ciência moderna para de concluir que a Terra não cabe num modelo plano. Basta raciocínio lógico e observação simples dos eventos e fenômenos naturais do dia a dia.

Anônimo disse...

Quanto as informações daquele coleguinha que procura argumentar em favor de uma Terra plana ai vai explicações sobre oque ele sugeriu;

1) Eclipses lunares ocorrem sempre com a Lua em oposição ao Sol (por isso sempre ocorre em Lua Cheia exatamente no momento em que a Lua está é observada numa posição oposta ao Sol. Mas existe a possibilidade rara de um eclipse lunar poder ser observado enquanto o Sol brilha no céu. Geralmente no finalzinho da Tarde e no inicio do amanhecer. Neste ponto a sombra da Terra pode ser vista ainda que sempre ao final ou no inicio do eclipse. A observação deste fenômeno é na verdade uma prova observável rara de que o A Terra está naquele momento entre o Sol e a Lua, uma vez que vc pode observar ambos os astros com a Terra ainda lançando sobre um deles. Resumindo, isso não é argumento para Terra plana.

2) O método Eratóstenes só prova uma Terra esférica e uma curvatura. Caso a e a sombra fosse causada pelo simples deslocamento do Sol num plano isso traria outros sérios problemas que é a diferenciação de tamanho do disco solar. Numa Terra plana seria impossível qualquer movimento do Sol sem variações no tamanho do seu disco, isso tanto durante o dia para o observador parado, quando nas diversas regiões do planeta plano. Não é pssível observar variação do tamanho do disco do Sol nem durante o dia, nem em qualquer parte do planeta (e olha que estive em todos os continentes do mundo, dos desertos, a florestas quentes, de regiões acima de 4000 mil metros a nível do mar, de regiões geladas a equatoriais em missões e sempre adorei observar nascer e por do Sol). Claro que os terraplanistas precisam acreditar nestas babaquices de que em algum lugar do mundo existe variação do tamanho do Sol (engôdo falacioso desonesto) de teóricos conspiracionistas mais do que na realidade que seus olhos veem). Ou seja, esta observação simples de não variação do disco solar só revela que o Sol só pode estar a uma distancia tal do planeta que qualquer movimento que existe entre a Terra e ele não possa ser percebida da Terra.

3 - A circum-navegação de Fernão de Magalhães demonstrou que se navegando numa mesma direção se chegaria no mesmo ponto onde vc começou. Num formato de Terra plana no modelo de mapa-mundi aberto, o final do mundo deveria ocorrer em qualquer região terrestre habitada ou sobre os oceanos. Porém como não foi encontrado abismo ou fim do mundo, os terraplanistas tentaram transferir o final do mundo para a Antártida por ser uma região menos habitada do planeta. Ao mesmo tempo o Polo Norte se tornou o centro do mundo. Só que neste modelo, o Sol não poderia mais dar uma volta no plano, pois este agora é rodeado por uma região gelada, fria. O Sol não poderia mais sair de cima do plano, mas apenas fazer movimentos circulares sobre o mesmo. Esta tentativa acarretou no sério problema da movimentação do Sol sobre o plano que impediria a formação de noites. Ou seja, não ocorre noite e nem por do Sol com o Sol sobre um plano. Neste modelo, o que ocorreria seria algo fantástico se fosse real. Ou seja, o Sol nunca chegaria de fato a tocar o horizonte em qualquer região do mundo. Ainda que numa região equatorial o Sol ao final da tarde estaria mínimo, e não se movimentaria em linha reta sobre o Céu de leste a Oeste, Ou seja, a medida que o Sol fosse afastando no decorrer do dia, ele iria se deslocando em direção ao Norte até que ao invés de tocar o horizonte ele faria um movimento seguindo a linha do horizonte norte. O ponto máximo que o Sol chegaria próximo ao horizonte durante todo o dia seria exatamente sobre o polo norte. Essa seria a meia noite da Terra plana, Ou seja, um Sol da meia noite bem fraquinho que seria observado em todos os lugares do mundo plano (isso num experimento com o Sol com apenas 50 km de diâmetro)...

Enfim, para aqueles que curtem ser o "diferentão, ou o sabedor de coisas que outros não sabem", poderá apenas estar demonstrando sua incapacidade de analisar profundamente as questões, os eventos, a realidade do mundo, do universo entre outros... Abraços!!!

Olho Vivo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Olho Vivo disse...

A cada dia tenho mais certeza que espiritos que nao reencarnam desde a idade media estao sendo obrigados a encarnar para que a Terra evolua. Esses espiritos então trazem suas crenças medievais, incluindo a terra plana...